O assassinato de Mário Eugênio

No dia 11 de novembro de 1984, o jornalista Mário Eugênio Rafael de Oliveira, conhecido como Gogó das Sete, foi assassinado com sete tiros na cabeça quando saía da Rádio Planalto, no Setor de Rádio e Televisão Sul. Ele tinha 31 anos.

Mário Eugênio, o Gogó das Sete, era o jornalista mais famoso de Brasília

Mário Eugênio, além de uma coluna no Correio Braziliense, apresentava o programa policial de rádio mais popular da época e foi morto após denunciar a atuação de um esquadrão da morte envolvendo o alto escalão da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.

O jornalista foi morto com sete tiros na cabeça

Os tiros foram disparados pelo policial civil Divino José de Matos, o Divino 45, que usou uma espingarda calibre 12 e um revólver Magnum calibre 38 na execução. Dando cobertura à ação, estavam os agentes Iracildo José de Oliveira e Moacir Loiola, além dos cabos David do Couto, Aurelino Silvino e do sargento Antônio Nazareno, todos do Exército. Os seis foram indiciados pelo assassinato meses depois. Como mandantes do crime, o inquérito apontou o então secretário de Segurança Pública do DF, Lauro Rieth, e o delegado Ary Sardella, coordenador da Polícia Especializada.

O crime causou comoção no Brasil inteiro e tomou conta dos principais meios de comunicação durante muito tempo. Vários jornalistas de Brasília ajudaram nas investigações, inclusive. Um dos repórteres policiais mais famosos do Brasil veio até a capital especialmente para esse caso: Octávio Ribeiro, conhecido como Pena Branca por ter uma mecha branca no cabelo escuro.

Capa do Correio Braziliense no dia seguinte ao crime

E o que aconteceu com os acusados nos processos judiciais que se seguiram pelos anos seguintes? 

As denúncias contra Rieth e Sardella foram arquivadas por falta de provas. O policial Moacir Loiola morreu em 1985, logo após seu depoimento sobre o caso, em um misterioso suicídio. Os militares David, Aurelino e Antônio Nazareno receberam penas mínimas e foram soltos. O agente Iracildo morreu em 1999, depois de cumprir parte dos 11 anos de reclusão a que fora condenado.

Divino 45, o autor dos disparos, foi condenado a 14 anos de prisão em 1994. Mas não foi preso, já que seus advogados impetraram sucessivos recursos até 2001, quando o STJ determinou sua imediata reclusão. Mas Divino fugiu antes de ser detido pela polícia, passando dois anos foragido. Foi recapturado em 2003. Atualmente, ele está em liberdade.

Matéria do Correio Braziliense sobre a prisão de Divino 45 em 2003

Até hoje, o bordão do Gogó das Sete é lembrado: “Aqui a notícia é do tamanho da verdade, doa a quem doer”. 

2 comentários em “O assassinato de Mário Eugênio

  1. O Brasil é dominado pelo poder podre mesmo nunca muda o auto escalão o qual foi o mandante desse crime ta firme e forte pra provar que quem manda são os corruptos lamentável vlw ABS

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s