O assassinato de Mário Eugênio

No dia 11 de novembro de 1984, o jornalista Mário Eugênio Rafael de Oliveira, conhecido como Gogó das Sete, foi assassinado com sete tiros na cabeça quando saía da Rádio Planalto, no Setor de Rádio e Televisão Sul. Ele tinha 31 anos.

Mário Eugênio, o Gogó das Sete, era o jornalista mais famoso de Brasília

Mário Eugênio, além de uma coluna no Correio Braziliense, apresentava o programa policial de rádio mais popular da época e foi morto após denunciar a atuação de um esquadrão da morte envolvendo o alto escalão da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.

O jornalista foi morto com sete tiros na cabeça

Os tiros foram disparados pelo policial civil Divino José de Matos, o Divino 45, que usou uma espingarda calibre 12 e um revólver Magnum calibre 38 na execução. Dando cobertura à ação, estavam os agentes Iracildo José de Oliveira e Moacir Loiola, além dos cabos David do Couto, Aurelino Silvino e do sargento Antônio Nazareno, todos do Exército. Os seis foram indiciados pelo assassinato meses depois. Como mandantes do crime, o inquérito apontou o então secretário de Segurança Pública do DF, Lauro Rieth, e o delegado Ary Sardella, coordenador da Polícia Especializada.

O crime causou comoção no Brasil inteiro e tomou conta dos principais meios de comunicação durante muito tempo. Vários jornalistas de Brasília ajudaram nas investigações, inclusive. Um dos repórteres policiais mais famosos do Brasil veio até a capital especialmente para esse caso: Octávio Ribeiro, conhecido como Pena Branca por ter uma mecha branca no cabelo escuro.

Capa do Correio Braziliense no dia seguinte ao crime

E o que aconteceu com os acusados nos processos judiciais que se seguiram pelos anos seguintes? 

As denúncias contra Rieth e Sardella foram arquivadas por falta de provas. O policial Moacir Loiola morreu em 1985, logo após seu depoimento sobre o caso, em um misterioso suicídio. Os militares David, Aurelino e Antônio Nazareno receberam penas mínimas e foram soltos. O agente Iracildo morreu em 1999, depois de cumprir parte dos 11 anos de reclusão a que fora condenado.

Divino 45, o autor dos disparos, foi condenado a 14 anos de prisão em 1994. Mas não foi preso, já que seus advogados impetraram sucessivos recursos até 2001, quando o STJ determinou sua imediata reclusão. Mas Divino fugiu antes de ser detido pela polícia, passando dois anos foragido. Foi recapturado em 2003. Atualmente, ele está em liberdade.

Matéria do Correio Braziliense sobre a prisão de Divino 45 em 2003

Até hoje, o bordão do Gogó das Sete é lembrado: “Aqui a notícia é do tamanho da verdade, doa a quem doer”. 

7 comentários em “O assassinato de Mário Eugênio

  1. O Brasil é dominado pelo poder podre mesmo nunca muda o auto escalão o qual foi o mandante desse crime ta firme e forte pra provar que quem manda são os corruptos lamentável vlw ABS

    Curtir

  2. Mario Eugênio foi um grande radialista, pena que teve uma morte desta maneira e ainda mais triste é que os envolvidos na sua morte não foram punidos como deveriam ser punidos.

    Curtir

  3. Naquele tempo tinha um militar que cuidava da comunicação interna do setor que atuava o sargento Nazareno Mortari ,dentro do PIC na PE,ele quem recebia todas as comunicações , o codinome dele era BATI FINO ,foi ele quem por exemplo recebeu do Ten Avelino chefe do PIC a comunicação do roubo do Passat do Tenente,com certeza a única pessoa que sabe todos os detalhes desta historia porque trabalhava diretamente com o pessoal que matou Mario Eugenio, faz um tempo tentei falar com ele para ver a possibilidade de saber mais mas ele foi muito direto o que passou passou ,falei com ele no email ondaverde@folha.com.br mas conversei com outras pessoas daquele tempo que estavam servindo dentro do Pic todos foram muito objetivos dizendo que a pessoa que tinha todo o conhecimento era o BATI FINO , porque era a pessoa de confiança para receber transmitir informações de dentro do setor GIC grupo de investigação criminal do PIC . Naquele tempo a comunicação era feita via telefone fixo ou radio comunicador tudo quem recebia era o BATI FINO ai distribuia as informações para o Tenente Avelino ,Para o Sargento Nazareno ,Para o Cabo Couto entre outros ,atualmente existe um comentário que o Bati Fino trabalha para o serviço de inteligência de Israel mas residindo no Brasil

    Curtir

    1. Antonio Nazareno Vieira Mortare Já era formado em duas faculdades quando estava no exercito e se formou em mais uma após sua prisão no caso em questão, foi em enfermagem e até a pouco tempo dava aulas na FIPLAC no gama -DF. Ele não era RO- Radio operador. qualquer um que estivesse de plantão no dia que que respondia as mensagens e retransmitia ao então CMT do PIC Ten, Avelino.
      Esse História de que ele trabalha para o serviço de inteligência de Israel e só mais uma invenção, assim como muitas outras histórias que imputaram a ele sem ser verdade.
      SGT:. Nazareno era era o CMT do GIC, por isso todas as informações era repassada par ele porque era quem dava andamento as investigações.

      Curtir

Deixe uma resposta para Anônimo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s